Image Map

terça-feira, 8 de agosto de 2017

ESTRÉIA | Unstoppable. - Capítulo 1.01

Unstoppable.
Capítulo 1.01 - "Suco de Besouro"


  Na noite a lua se vai sumindo deixando clarear toda a cidade de Bargain com um lindo sol nascendo esquentando as ruas frias, pessoas fecham as cortinas de seus quartos pela claridade e carros começam a se movimentar enquanto, Lays varria a rua e Nate coloca as correspondências no correio seguindo em frente quando, DeWolf acorda se vestindo colocando a calça sentado na cama conseguindo abotoar o fecho 
  -Tenho que emagrecer, não dá para continuar só comendo, dormindo e pegando criminosos. - Donuts aparece no quarto balançando o rabo. - Já sei oque quer, amigão. - DeWolf coloca ração para seu cachorro na vasilha no chão até que se senta a mesa colocando cereal em uma tigela e leite. - Nada doce como um café da manhã.... café, café. - Ele mergulha sua colher na tigela comendo mas a campainha toca. - Droga, na hora do café? - Ele se levanta indo atender a porta abrindo vendo, Lottie. - Lottie? - Se pergunta DeWolf confuso mas ela vai entrando furiosa com o seu celular na mão e ele fecha a porta
  -Você nem acreditaria no que a cretina da minha irmã adotiva andou fazendo. - Fala Lottie
  -Já sei, comprou uma Lamborguhini e infelizmente você não. - Fala DeWolf
  -Errado. Ela ousou fazer um jantar familiar na casa dela e não me chamou. Furiosa estou que poderia arremessar esse celular na cabeça de alguém. Toda vez eu a chamo para jantares na minha casa e ela me revida assim? Ah, mas não vai sair barato, não, não. Lottie Sniffers é perigosa, muito perigosa, muito mais do que todos imaginam. - DeWolf calça seu tênis com Lottie falando e logo a chave do carro fingindo interesse no assunto. - Irei fazer um jantar familiar dois na minha casa, quero você lá. - Fala Lottie enquanto, DeWolf se encaminha até a porta abrindo-a
  -Claro, claro. Estarei lá, me avise quando for, bye! - Fala DeWolf saindo fechando a porta deixando-a confusa
  -Isso foi uma brincadeira? Por que saiu, DeWolf? - Ela ouve o barulho do carro ligando. - DeWolf? - Ela vai até a porta abrindo-a vendo ele sair de carro tocando Rock. - Grr, de novo isso. Tenho que parar de abordá-lo no café da manhã, péssimas ideias. - Fala Lottie enquanto pela cidade no seu carro Porsche, DeWolf e Donuts escutavam Rock ao som de "We Don't Have To Dance - Andy Black" passando pelos cidadães de Bargain até que freia em frente a lanchonete do Zapoteca, Kamebruke saindo do carro indo em direção a entrada e Donuts pula seguindo-o assim entram se sentando no banco do balcão e Donuts no chão
  -Olá, olá, olá! O que irá querer, senhor? - Ele avista, Donuts no chão. - Cadê meu cachorro favorito? - Pergunta Zapoteca fazendo, Donuts latir abandando o rabo deixando-o feliz
  -Zapoteca, me trás panquecas, estou morrendo de fome. - Fala DeWolf
  -Sai em instantes. - Zapoteca vai para a cozinha fazer que tinha uma enorme janela dando para ver o balcão. - Lottie novamente? - Pergunta Zapoteca preparando as panquecas
  -Pergunta exata. Não estou aguentando mais todas as manhãs ela ficar me abordando daquele jeito, não quero saber da irmã adotiva dela. - Responde DeWolf
  -Falou a verdade, mas o mais estranho nisso tudo é que nem sabemos dela e nada. - Fala Zapoteca
  -Quer dizer inaceitável? - Pergunta DeWolf confuso
  -Não é isso, estou querendo dizer que ela é estranha? É... mas nunca vi a família dela vindo em Bargain visitá-la. - Responde Zapoteca
  -Outro fato a ser explorado. - Fala DeWolf vendo, Zapoteca trazer suas panquecas 
  -Aí está. Panquecas gourmet. - Fala Zapoteca o confundindo que coloca o xarope doce 
  -Gourmet é uma coisa feita em churrasqueira. - Fala DeWolf
  -Tenho certeza que não. Gourmet é um nome para comidas específicas. - Fala Zapoteca
  -Uau, como você entende de espaço gourmet. - Ironiza DeWolf pegando um pedaço da panqueca
  -Jesus Cristo, deixe-me ir trabalhar. - Fala Zapoteca atendendo outro cliente mas, Donuts fica olhando para, DeWolf que olha para ele
  -Hey, não vai ganhar panquecas, já tomou o seu café, mim não. - DeWolf sorri mas vê o grande freezer de bebidas com porta de vidro todo escuro com roxo escrito: "Suco de Besouro, tome já!". - Zapoteca. - Fala DeWolf confuso com aquilo
  -Sim? - Pergunta Zapoteca
  -Isso de Suco de Besouro, é o quê? - Pergunta DeWolf
  -Maravilhoso, não? Está me rendendo ótimas porcentagens. É uma nova marca de refrigerante que chegou aqui em Bargain. A Empresa Suco de Besouro produzindo seu refrigerante, Suco de Besouro. É uma delícia, recomendo. - Responde Zapoteca
  -Retórico. - Sussurra DeWolf pensativo sobre aquilo mas, Mallow entra na lanchonete não vendo, DeWolf por estar de costas
  -Zapoteca, meus pães de mel? - Pergunta Mallow
  -Irei pegá-los, só um minuto. - Responde Zapoteca indo pegar na cozinha que ao DeWolf virar a vê
  -Mallow! - Fala DeWolf
  -DeWolf, nem te vi aí. O que faz? - Pergunta Mallow
  -Apenas tomando meu café da manhã. - Responde DeWolf
  -Tem que dar um tempo na Lottie. - Fala Mallow rindo
  -Pare de rir, não é engraçado. Ela está me enlouquecendo. - Fala DeWolf
  -Ouh, desculpe. Mas isso é tão... - Ele olha para ela. - Parei de rir, não tem mais graça. - Zapoteca a entrega seus pães. - Também quero um Suco de Besouro. - Fala Mallow
  -Vou pegar. - Fala Zapoteca indo no freezer mas é questionada
  -Bebe isso? - Pergunta DeWolf vendo, Zapoteca a entregar uma lata
  -Na verdade, não. Meu avô gostou e todo dia dou para ele beber no almoço, o gosto é estranho. - Responde Mallow
  -Seu vô está na cidade? - Pergunta DeWolf
  -Está sim, em falar nisso ele deve está acordando. Preciso ir, tchau, DeWolf, tchau, Zapoteca! - Responde Mallow indo embora
  -Zapoteca, você disse que o refrigerante era uma delícia. - Fala DeWolf vendo-o ir para trás do balcão
  -Faço marketing, não poso falar mal de um produto que estou vendendo e me abastecem todas as semanas, desculpe. - Lamenta Zapoteca
  -Um minuto, está dizendo em código que o refrigerante é ruim? - Pergunta DeWolf enquanto outros clientes ficam aprestando atenção na conversa
  -Mais panquecas? Claro, irei fazê-las agora. - Fala Zapoteca indo para a cozinha
  -Lhe perguntei outra coisa, é sobre o refri... - Donuts puxa a calça de DeWolf. - Ou, agora entendi. Foi mal, Zap. - Fala DeWolf até que o carro de notícias do Mulhouse para do lado de fora e ele entra
  -Bom dia! - Ele pega um Suco de Besouro bebendo. - E, aí, DeWolf e Donuts? - Pergunta Mulhouse com Donuts latindo abanando o rabo
  -Também bebendo isso? Qual o problema dessas pessoas de Bargain que gostam e não gostam de certos produtos? - Se pergunta DeWolf
  -Kamebruke é uma das melhores lanchonetes, fale bem. - Responde Mulhouse tomando a latinha toda em segundos impressionando-o
  -Isso precisa de um tratamento, coisas excessivas demais podem... - Fala DeWolf mas é interrompido
  -Creio que não saiba, mas o Suco de Besouro é composto de cinco por cento de energético, me ajuda a trabalhar durante a manhã e o dia, nem se precisa beber água porque ele também é um terço disto. - Fala Mulhouse
  -Grr, todas as bebidas tem um terço de água, idiota. - Fala DeWolf mas, Zapoteca volta com panquecas
  -Aqui está seu pedido. - Fala Zapoteca o confundindo 
  -Pra quem é isso? - Pergunta DeWolf
  -Você. - Responde Zapoteca
  -Zapoteca, estávamos encenando aqui para não dizer que o refrigerante é ruim. - Fala DeWolf
  -Encenando? - Pergunta Mulhouse confuso
  -Quer saber. - DeWolf se levanta do acento. - Mulhouse, sente-se aqui no meu lugar e saboreie as panquecas. - Fala DeWolf
  -Oh, Deus. Sério? - Pergunta Mulhouse
  -Seríssimo. - Responde DeWolf saindo da lanchonete, mas ao Mulhouse quase garfar a panqueca é alertado
  -Morda um pedaço e terá que pegar. - Avisa Zapoteca enquanto, DeWolf dá a partida no carro andando pela cidade vendo, Lays brigando com Judy que certamente passou onde ela varreu, Duke com placas amadoras feitas a mão dizendo sobre a existências de alienígenas até parar seu Porsche em frente casa saindo
   -Ultramen teria se saído melhor neste debate. - Fala DeWolf saindo do carro com Donuts mas do outro lado da rua estava, Laszlo que corre até ele com seu bloco de notas na mão
  -Sr. Hartman, Sr. Hartman! - DeWolf vira para trás o vendo. - Poderia me dar seu autógrafo escrevendo bem aqui neste X marcado.... - DeWolf se vira indo andando até sua porta de entrada. - Sr. Hartman? - Pergunta Laszlo
  -Hoje não, amigo. - Responde DeWolf entrando fechando a porta deixando, Laszlo sozinho naquela calçada assim liga a TV indo até a geladeira pegando um garrafa d'água quando ouve
  -Icarus Quercy, o proprietário da Empresa Suco de Besouro nos deu uma entrevista exclusiva contando dos seus projetos futuros e sobre as melhorias em Bargain. - Fala A Repórter e DeWolf volta correndo para a sala querendo ouvir a entrevista de Icarus se sentando no sofá mas, Donuts late
  -Donuts, quero ver a entrevista. Sh! - Zanga DeWolf
  -Minha ideia para o Suco de Besouro surgiu três anos atrás quando eu estava de passagem na Itália quando vi aquelas pessoas fazendo vinho, pisando em uvas e pensei. Por que não lançamos um produto novo diferente de qualquer coisa já vista, diferente de Coca-Cola e Pepsi Cola. Então, depois de muitas pesquisas e desenvolvimento conseguimos lançar o nosso produto especial e único que só pode ser comprado aqui, em Bargain. - Fala Icarus
  -Hum, único em Bargain. Ainda prefiro beber a Pepsi Cola ou a própria, Coca-Cola. - Fala DeWolf mas a entrevista retorna
  -Pessoas dizem muitas coisas, eu não uso nada prejudicial a saúde dos seres humanos em meu refrigerante, uso uvas, frutas cítricas, e o resto é segredo, se não todos fabricariam a minha fórmula. - Fala Icarus rindo fazendo a repórter rir
  -Nossa entrevista termina aqui com Icarus Quercy, dono do Suco de Besouro. O CJN volta em instantes. - Fala A Repórter assim começa um comercial do Suco de Besouro no lugar do jornal com um besouro falante fazendo a propaganda
  -Está com sede? Venha beber nosso, Suco de Besouro, rico em vitaminas e um terço água limitada, nem precisa de matar a sede sempre enchendo sua garrafa, prove e saboreie. Suco de Besouro está disponível em todas as lanchonetes, restaurantes e amadores presentes. - Fala O Narrador da propaganda 
  -Isso é ser estranho. - Donuts late e DeWolf pega seu celular. - Vamos ver oque nossa amada internet diz sobre esse, Suco de Besouro. - DeWolf pesquisa sobre o refrigerante vendo uma notícia postada á cinco horas "Suco de Besouro é Extremamente Alucinógeno e Tóxico". - Uau. - DeWolf lê a notícia. - Suco de Besouro é composto por frutas venenosas além de cítricas e sua uva de originalidade italiana. - Ele passa o dedo na tela lendo mais. - Icarus Quercy desmente suas acusações. Icarus Quercy é processado por plágio em produto feito com líquido de refrigerantes. Icuras... há, parece que esse aqui errou o nome dele. - Donuts late. - O que foi, Donuts? - Donuts late pulando. - Pensou o mesmo que eu? Ir fazer uma visita ao Sr. Quercy! - DeWolf se levanta do sofá indo até a cozinha colocando sua garrafa d'água na geladeira e pega a chave do carro. - Vamos, Donuts Boran, temos assuntos a se resolver. - Fala DeWolf abrindo a porta entediando seu cachorro que sai correndo para fora enquanto, DeWolf a fecha e Mallow encontra com ele na calçada
  -DeWolf, está saindo? - Pergunta Mallow segurando uma xícara
  -Sim, quer alguma coisa? - Pergunta DeWolf
  -Queria um pouco de cacau, mas depois eu... - Responde Mallow mas ele a interrompe
  -Pode pegar, a chave está no mesmo lugar de sempre. - Fala DeWolf abrindo a porta do carro deixando, Donuts entrar e entra logo depois a fechando
  -Bem, obrigada. - Agradece Mallow o vendo partir enquanto, Laszlo estava sentado na outra calçada triste de cabeça baixa até que ele vê rodas de carro parando frente a ele dando um sorriso mas era apenas, Mulhouse
  -Fala, Laszlo! - Fala Mulhouse sorrindo
  -Oi, Mulhouse... - Fala Laszlo com desânimo 
  -Por que está triste? Notas ruins na escola? Pais brigando? Estados Unidos contra Síria? - Pergunta Mulhouse
  -Nada, apenas uma pessoa que gosto que me ignora. - Responde Laszlo 
  -Já sei, sabia que era por causa disto. - Fala Mulhouse
  -Como você continua sua vida mas lá no fundo sabe que nunca terá a atenção do seu ídolo? Famosos teem fãs de longa distância, mas eu tenho um que mora na mesma cidade e mesmo assim não tenho chance. Sorte sua ser amigo do Sr. Hartman. - Fala Laszlo
  -Sr. Hartman. - Mulhouse segura o riso. - Cara, levanta sua cabeça e vá fazer algo que te alegre. DeWolf é outro caso, mas uma coisa que tem de fazer é nunca desistir, nunca. - Fala Mulhouse vendo um sorriso no rosto de Laszlo mas ouve alguém falar
  -Isso foi extremamente fofo. - Mulhouse olha para o outro lado vendo, Mallow. - Continue evoluindo assim, Mulhouse! - Fala Mallow sorrindo voltando para casa
  -Evolução, mutação. Biologia é minha vida. - Fala Mulhouse dando um sorriso e olha para, Laszlo enquanto na casa de Lottie se ouvia berros dela ao telefone
  -Grr, pare de ser corrupta e aja como mulher, sua adotada! Ah, agora vai me dizer que falar o termo "adotada" estou me referindo a você? Saiba que metade dos povos americanos são adotados e com muito orgulho, sua bastarda do Orfanato Piedade Sobre Olhos! - Grita Lottie.
  O Porsche de DeWolf volta a andar pela cidade que a cada curva que virava era radical ao som de "Imagine Dragons - Radioactive" de óculos escuros e DeWolf sobreposto na porta a esquerda com a língua para fora sentindo o vento passando em frente ao Zapoteca que serve suco a um cliente e comenta
  -Lá vai ele. - Comenta Zapoteca enquanto dirigindo, DeWolf conversa com Donuts
  -Estou me sentindo como a Pantera-Cor-De-Rosa, todo investigativo ou até mesmo O Inspetor, é um máximo eu me sentir assim novamente. - Donuts late. - Vamos nessa, amigão! - DeWolf vira a curva vendo a gigante empresa, Suco de Besouro com o nome estampado a frente e o Mascote Besouro na entrada da empresa e DeWolf para seu carro saindo indo até o mascote. - Oi, olá, gigante... besouro.. aberracional... - Fala DeWolf
  -Não posso fazer nada se lhe incomodo, esse é meu trabalho. - Fala Parme, o homem por trás da fantasia de besouro
  -Tudo bem, pelo menos você tem algum nome? - Pergunta DeWolf
  -Somente, Parme. - Responde Parme
  -Okay, Parme. Me chamo, DeWolf e estou visitando a empresa, será que você sabe de alguma co... - Fala DeWolf mas é interrompido
  -Melhor entrar e descobrir, não sou seu mensageiro. Sou apenas o Mascote Besouro, me expondo de maneira ridícula aos cidadães. - Fala Parme
  -Boa, vamos lá, Donuts. - Fala DeWolf entrando quando, Camellia, a secretária de Icarus entra no escritório rapidamente fechando a porta avisando
  -Sr. Quercy, uma pessoa quer falar com você e ela parece bem determinada vindo. - Avisa Camellia
  -Quem seria essa pessoa tão... - Fala Icarus mas é interrompido pela porta abrindo vendo, DeWolf entrar com Donuts assim, Icarus se levanta da sua cadeira
  -Camellia, nos dê um pouco de privacidade. - Fala Icarus assim ela sai
  -Icarus Quercy, certo? - Pergunta DeWolf retirando seus óculos escuros
  -Uau, temos um fã, creio. - Ele vê, Donuts. - Não é permitido cachorros aqui na empresa, mas no seu caso que é passageiro deixarei. Qual seu nome? - Pergunta Icarus
  -Meu nome é DeWolf Hartman, vim aqui esclarecer algumas coisas. - Responde DeWolf
  -Fique á vontade, não se precipite em se abafar em nada. - Fala Icarus se sentando na cadeira
  -Apesar do nome da sua empresa ser totalmente estranho fazendo pensar que um besouro fabrica mesmo o seu refrigerante, quero falar das clausulas que estão na internet sobre a receita e oque usa, apesar de ser extremamente relevantes. - Fala DeWolf
  -Você veio aqui difamar minha empresa jogando na minha cara o nome ridículo que ela tem? - Pergunta Icarus
  -Difamação, é essa a palavra que eu estava procurando. - Fala DeWolf
  -Sr. Hartman, terei que pedir que esta sessão acabe, não estou afim de discutir o nome da minha empresa com você que não é nada perto de mim ou do Suco de Besouro. - Fala Icarus
  -Hum, entendo sua raiva opressora por dentro, mas quero respostas. Como ninguém precisará de água com o Suco de Besouro, nosso corpo precisa sim de água filtrada, não é um simples licor de refrigerante cheio de corante que tornará isso possível. Além das outras afirmações na internet que usa frutas cítricas. - Fala DeWolf
  -Pelo menos um fato até agora, não posso revelar quais frutas usamos, mas são todas deliciosas e cítricas. - Fala Icarus
  -Também, mas e as frutas tóxicas usadas? - Pergunta DeWolf o deixando sem jeito
  -Jesus, frutas tóxicas? Não existe isto, todas as frutas são naturais. - Responde Icarus rindo mas, DeWolf cita algumas delas
  -Não posso comprovar isto, mas temos peras estragadas, goiabas com certas larvas dentro e excesso de mamão pelo óleo entre outros, até um simples cachorro como o meu morreria com tudo isto. - Fala DeWolf
  -Ora, ora. Parece que alguém andou fazendo a lição de casa estudando sobre frutas cítricas e minha empresa. Bom trabalho, Sr. DeWolf. - Fala Icarus o encarando
  -Quero que pare com o seu produto, porque o vende só aqui em Bargain e não em outros lugares com expansão como vários refrigerantes comuns fazem? - Pergunta DeWolf vendo, Icarus levantar
  -Infelizmente como eu disse mais cedo. Esta sessão está acabada, não vou discutir assuntos da minha empresa com quem é ninguém para me dizer alguma coisa. - Fala Icarus abrindo a porta do escritório e DeWolf vai saindo mas para se virando para trás
  -Na verdade, sou um ex-policial aposentado, posso muito bem lhe prender mesmo não tendo uma habilitação para isto. - Fala DeWolf
  -Há, aposentado? Quantos anos tem? - Pergunta Icarus com um olhar de deboche e Camellia vendo tudo de longe
  -Vinte e oito anos, recebo mais do que você aliás. - Fala DeWolf colocando seu óculos escuros saindo com Donuts e Camellia vai até, Icarus
  -O que houve aí dentro? - Pergunta Icarus
  -Grr, pare de ser fingida. Eu sei que olha as câmeras de seguranças e colocou gravador na minha sala, mas mesmo assim fiquei quieto. - Responde Icarus
  -Desculpe, meu amor. Não fique assim... - Fala Camellia tentando o dar um beijo mas a impede
  -Tenha classe, disse que não quero que os funcionários nos vejam nessa nossa safadeza em um relacionamento público onde terão o poder de comentar sobre isso perdendo o respeito. - Ela fica quieta triste. - Traga as estatísticas das vendas desta semana para mim, ande. - Fala Icarus entrando no escritório fechando a porta deixando-a do lado de fora que se vira indo andando lentamente
  -Filho da mãe, depois de tudo... - Reclama Camellia mas a porta do escritório se abre
  -Camellia. - Fala Icarus assim ela se vira para trás quando a porta do escritório estava fechada e os dois transavam lá dentro com gemidos e orgasmos sobre a mesa enquanto no Zapoteca, Nate estava sentado na cadeira do balcão bebendo cerveja conversando com ele
  -Se cerveja não existisse, oque seria desta população. - Fala Nate rindo igualmente a Zapoteca
  -Não sou fã de bebidas alcoólicas, mas quem vende é porque precisa. - Fala Zapoteca o deixando confuso
  -Está me chamado de idiota, Burbank? - Pergunta Nate confuso
  -Lá vamos nós, apenas continue bebendo sem falar nada. - Responde Zapoteca e Nate volta a beber quando o carro de DeWolf para do lado de fora e ele vem entrando com Donuts
  -Olá. - Ele se senta na cadeira do balcão. - Zapoteca, bebida para mim. - Fala DeWolf
  -Já sei, a de sempre? - Pergunta Zapoteca
  -Isso aí. - Responde DeWolf e Zapoteca vai pegar
  -DeWolf, que cara é essa? - Pergunta Nate curioso
  -Só consigo falar bebendo. - Responde DeWolf vendo sua cerveja chegar
  -Aqui está a sua cerve... - Fala Zapoteca mas é interrompido por, DeWolf que pega a garrada abrindo com a boca bebendo se virando para, Nate respondendo 
  -Fui até a Empresa Suco de Besouro, fui ver oque essa aberração de refrigerante está apresentando a população inocente e pobre de Bargain. - Fala DeWolf
  -Uau, o efeito da cerveja foi tão rápido. Mas porque se infiltrar em mais casos? Tem que dar um tempo, já é aposentado a seis anos e continua achando e resolvendo crimes por aí. - Fala Nate
  -Gente, desculpa, mas eu vivo pelo crime. É como se fosse um radar aptando na minha cabeça, parece que detecto o crime e imperfeições em tudo. - Fala DeWolf
  -Mas lembre-se que você "já foi" um oficial da lei, hoje não é mais. - Fala Zapoteca
  -Acha que eu não sei? Eu queria ser menos disto, mas é minha vida. É como se um pintor parasse de pintar e um ator parasse de atuar, não teria como, aquilo é a vida deles, eles amam fazer oque fazem. - Fala DeWolf
  -Parece que venceu, vou ali fazer alguns pedidos dos outros clientes que não são como vocês que ficam aqui conversando mais de duas horas apenas bebendo uma garrafa de cerveja. - Fala Zapoteca dando as costas indo pra cozinha quando, Nate bebendo percebe, DeWolf olhando para ele se assustando 
  -Hey, algum problema? - Pergunta Nate
  -Ainda sabe aquelas posturas de policial? - Pergunta DeWolf fazendo, Nate dá um sorriso quando ele treinam posturas de ataque no Zapoteca com Nate o ajeitando como se posicionar e as horas vão se passando, clientes entram e saem até que anoitece e Zapoteca vem da cozinha
  -O dia foi bom, mas é hora de fechar. - Fala Zapoteca parado perto deles
  -Com calma vemos isso, mas agora tenho que ir pra casa. Amanhã acordo cedo para entregar correspondências. - Fala Nate pegando sua bolsa de cartas
  -Tudo bem, até. - DeWolf sai da lanchonete com ele e Zapoteca e se dão tchau entrando no carro indo pra casa com Donuts que estava cansado abrindo a porta entrando acendendo a luz vendo duas cartas no chão abrindo vendo que uma era de Mallow escrito: "Obrigada pelo cacau. - Mallow" e a outra de Laszlo: "Sr. Hartman, nunca desistirei de ganhar seu autógrafo. - Laszlo Uddehall" assim, DeWolf as coloca na mesa da cozinha, pega seu prato de cereal colocando dentro da pia e vai direto para o quarto retirando a roupa se deitando na cama cobrindo-se e Donuts se deita na sua cama de cachorro. - Boa noite, Donuts. - Fala DeWolf apagando a luz do abajur ficando tudo escuro mas rapidamente amanhece e Nate vinha andando pela rua entregando as correspondências em certas casa e passava pela calçada da Empresa Suco de Besouro vendo o Mascote Besouro que o para deixando-o confuso sobre a situação 
  -Te conheço? - Pergunta Nate confuso
  -Não, mas você é amigo de DeWolf... DeWolf Hartman se não me engano pelo nome. É? - Pergunta Parme
  -Sim, sou. Mas quem é você, cara? Por que me parou do nada aqui no meio da calçada? Pessoas acharão estranho, se me entende. - Responde Nate
  -Preciso de ajuda, essa empresa é louca. Não consigo sair desse emprego ou desse lugar, estou em perigo como todos vocês. Icarus Quercy tem ideias que vão além da imaginação, além do surreal. - Fala Parme
 -Icarus é louco então? Não entendi oque quis dizer. - Fala Nate muito confuso
  -Entenda isso que eu disse como um pedido de ajuda, me livre desse emprego e desse lugar. - Camellia passando arquivos para um funcionário dentro da empresa vê, Parme conversando com Nate e serra o olhar indo até lá. - Por favor, seu amigo parece ser bem determinado, peça a ele que me aju... - Fala Parme mas, Camellia abre a porta da frente saindo o interrompendo 
  -O Mascote Besouro deveria estar alegrando as pessoas que passam frente a empresa, não parando para conversar com estranhos na rua. Apesar de que trouxemos você de outro país para trabalhar aqui para não correr o risco de rever amigos. - E você, Sr. Mensageiro? - Pergunta Camellia
  -Sim? - Pergunta Nate
  -Tem correspondências ou foi um bate-papo desnecessário rápido? - Pergunta Camellia o encarando
  -Ah, sim. Acho que tenho alguma coisa.... - Nate procura achando. - Bom, aqui está sua correspondência e acho que já vou indo. - Ele entrega a Camellia que dá um sorriso. - Até mais. - Fala Nate indo embora assustado quando, Camellia puxa o braço de Parme segurando fortemente 
  -Lhe direi uma primeira e última vez. Se tentar mais uma vez buscar ajuda em pessoas estranhas da rua, te mostrarei para onde você irá. Estamos entendidos? - Ele confirma. - Maravilhoso, agora volte ao trabalho. - Fala Camellia o soltando saindo andando voltando pra dentro da empresa
  -Vadia... - Sussurra Parme e ela volta
  -Hum, você tem uma escuta na fantasia. Vem comigo. - Fala Camellia com um olhar de vadia entrando na empresa com ele passando pelos corredores cumprimentando alguns funcionários até que chegam no escritório de Icarus fechando a porta
  -Mas oque é isso? - Pergunta Icarus confuso
  -Parme. - Parme tira sua cabeça da fantasia de besouro. - Já é a segunda vez que o pego conversando com estranhos, da última vez devemos lhe alertar, Sr. Parme que não foi nada bom oque houve. - Fala Camellia o encarando fazendo-o se lembrar de quando estava nu  amarrado em uma sala sendo torturado e chibatado 
  -Desculpe, não foi minha intenção. Eu zelo por essa empresa já tem quase dois anos, o mínimo é eu poder conversar com alguém. - Fala Parme vendo, Icarus se aproximar
  -Zelar é uma palavra muito forte vindo de você que é um mascote e um mero funcionário desprezível que só sabe fazer sujeiras e manchar o nosso nome! - Fala Icarus em um tom alto
  -Irá tomar providências ou deixamos voltar para o trabalho sob vigília? - Pergunta Camellia
  -Não, deixe-o voltar ao seu trabalho. - Ele se aproxima bem do rosto de Parme. - Pode-se ter certeza que da próxima vez que fizer isso não estará vivo e por enquanto estará sob meus mandados. - Fala Icarus dando as costas passando a mão direita sobre os cabelos
  -Sr. Quercy, não foi a minha intenção como já disse. O carteiro só estava me perguntando... - Fala Parme mas é interrompido por um tapa no rosto que, Icarus o dá assustando-o
  -Blá, blá, blá, blá. Ande, volte a droga do trabalho. - Fala Icarus vendo, Parme olhar para, Camellia
  -Já, vai, vai. - Fala Camellia e assim, Parme abre a porta saindo fechando-a quando, Icarus a olha diferente, um olhar malicioso 
  -Quer fazer algo inesperado? - Pergunta Icarus se aproximando tentando beijá-la mas ela desvia
  -Hum, só pode estar brincando. Corremos riscos. - Fala Camellia
  -Toda vez que tento ter algo com você, só me desvia. Qual o problema desta vez? Riscos? - Pergunta Icarus sendo cético 
  -Grandes riscos, ainda mais com aquele rapaz, DeWolf. - Fala Camellia vendo, Icarus ir até o cumputador 
  -Isso tenho que concordar, teremos que ser rápidos. - Icarus aperta uma tecla vendo todo o mapa de Bargain em um telão. - Vamos nos apressar. - Fala Icarus com um olhar misterioso enquanto em frente a casa de DeWolf estava o carro de Mulhouse parado com ele e Lottie o entregava um folheto para promover em voz do seu curso de cabeleireira o deixando confuso
  -Você agora é cabeleireira? Mês passado tinha acabado de se formar em medicina veterinária. - Fala Mulhouse
  -Eu sei, mas é sempre bom inovar, se puder divulgar meu novo trabalho, agradeço. - Fala Lottie com um sorriso
  -Mas... e enquanto a medicina veterinária? Preciso que dê uma olhada no porquinho da minha sobrinha. - Fala Mulhouse
  -Ouh, Mulhouse. Não mexo mais com coisas de veterinário, é cansativo. - Fala Lottie o confundindo mais ainda
  -Se formou mês passado... esquece, tenha um bom dia e obrigado pelo dinheiro. - Alguém descalço segue até a porta abrindo vendo, DeWolf somente de cueca e com a ereção bem ativa descendo a entrada indo até, Mulhouse deixando, Lottie de olhos arregalados e fixados para baixo
  -Lamento, acordei tarde. Se tiver como noticiar isso, está tudo dentro desse papel manuscrito por mim, bom dia. - Fala DeWolf dando as costas voltando para dentro fechando a porta
  -Fale-me, só eu vi aquilo ou também viu? - Pergunta Lottie ainda surpresa 
  -Am... só olhei para cima, me respeite. - Responde Mulhouse ligando o carro saindo deixando, Lottie ali parada com a mão no peito quando, Duke aparece com uma rosa dizendo coisas de amor
  -Hey, hey, minha rosa. - Fala Duke chamando sua atenção para trás a desanimando 
  -Jesus, tinha que ser você. - Fala Lottie entediada
  -Minha vida gira em seu torno, case-se comigo e seremos felizes para sempre. - Fala Duke e ela passa por ele a caminho de sua casa
  -Cale a boca, não vivemos em conto de fadas. Seja rico e me procure. - Fala Lottie entrando fechando a porta fortemente quando no Zapoteca ele serve café a Laszlo que estava de mochila o bebe
  -Você já não deveria estar a caminho da escola? - Pergunta Zapoteca
  -Sim, mas hoje a escola irá se atrasar um pouco, minha professora faltou, então... - Responde Laszo
  -Entendi, aí é só adoração. - Fala Zapoteca rindo mas a conversa toma outro rumo
  -Zapoteca, ainda acha que irei ter um autógrafo ou atenção do DeWolf? - Pergunta Laszlo
  -Uau, ótima pergunta. Mas infelizmente não posso respondê-la de forma que essa sua vontade iria realizar. Tenho desejos de conhecer vários ídolos, mas até hoje, veja, não realizei. - Responde Zapoteca
  -Infelizmente sei a resposta, um belo de um não. Mas só não posso parar de gostar dele, porque se parar, já era. Não sou mais fã, daí é menos um ponto de vida para ele. - Fala Laszlo estranho
  -Anda lendo muito magazines, tem de parar. Se parar de ser fã dele não irá perder um ponto de vida, ele. Mas você tem que insistir, não deixe que ele escape, atormente-o cada segundo. - Fala Zapoteca
  -Tem certeza? - Pergunta Laszlo
  -Querido, se eu não tivesse, não teria pulado no palco do Michael Jackson enquanto tocava, Billie Jean em dois mil e cinco. - Responde Zapoteca sorrindo para ele
  -Obrigado, Zap. Foi o melhor conselho que me deu até hoje. - Fala Laszlo sorrindo o confundindo 
  -Hey, "o melhor até hoje"? Mas eu te dei aquele sobre a Min... - Fala Zapoteca mas é interrompido pelo barulho do ônibus escolar parando
  -Tchau, depois vemos isso. - Fala Laszlo se levantando do banco saindo rapidamente deixando, Zapoteca sozinho enquanto na casa de DeWolf ele abre a porta do guarda-roupa pegando uma calça a vestindo, coloca uma blusa meio apertando volumando seus músculos que ao fechar a porta do guarda-roupa vê, Lottie segurando seus pães sorrindo para ele assustando-o
  -Lottie, oque faz aqui? Como entrou na minha casa em plena manhã sem eu saber? - Pergunta DeWolf confuso
  -Pobre, lobo, eu trouxe seu pão para tomar e tomarmos café, querido. - Responde Lottie sorrindo vendo-o ir andando pegando a sacola de pães da sua mão encaminhando-se até a cozinha indo atrás
  -Você me assusta, porque desta perseguição. - Ele para mas ela não percebe e tromba com ele fazendo-o se virar para trás. - Lottie! - Zanga DeWolf
  -Ficar, temos que ficar juntos, é o nosso destino, não enxerga isso? - Pergunta Lottie enquanto, DeWolf pega um pão cortando-o pegando ricota na geladeira
  -Sério isso? Me diz porque acha isso. - Fala DeWolf
  -Eu te amo. - Se declara Lottie
  -Jesus. - Ele respira fundo. - Cuide da sua vida e acha um namorado que não seja eu. Passar bem. - Ele se senta na cadeira vendo-a ir embora. - Lottie, onde vai? - Pergunta DeWolf confuso
  -Indo embora, essa é a minha deixa caso não saiba. - Responde Lottie
  -Grr, pare. Não é uma simples discussão desta que pararemos de ser amigos. - Fala DeWolf
  -Realmente? - Pergunta Lottie
  -Realmente. Agora vem, sente-se e tome o café da manhã comigo e o Donuts. - Responde DeWolf vendo-a voltar
  -Okay, se diz. - Ela se senta na cadeira pegando um pão de presunto pronto mas, Donuts avança a assustando. - Seu cachorro está agressivo, tenho formação na área de veterinária, se quiser... - Fala Lottie
  -Não, não. Ele está bem, é porque esse pão é dele, pegue um e recheie. - Fala DeWolf
  -Certo, começando do zero. - Ela sorri falso para, Donuts no chão comendo seu pão. - Hum, fofo. - Fala Lottie que enquanto isso na Empresa Suco de Besouro, Icarus e Camellia estavam em um elevador externo com luzes fracas feito a grades até que ela fala
  -Icarus, tenho que lhe contar uma coisa que não gostará muito. - Fala Camellia
  -Lá vem chatice de funcionários atrás de empréstimos. Manda. - Fala Icarus
  -Bem que eu queria que fosse isso, mas é outra. - A porta do elevador se abre deixando-os sair ouvindo o barulho do carro de notícias. - É sobre isso. - Fala Camellia
  -Que infernos é isso? - Pergunta Icarus indo para fora ouvindo, Mulhouse anunciar que o Suco de Besouro é tóxico 
  -Está rondando pela cidade a manhã inteira anunciando isso. - Fala Camellia
  -Hahaha, não mais. - Ele olha para, Parme. - Lesado fantasiado, quebre o vidro daquele carro, já! - Ordena Icarus
  -Mas senhor... - Icarus o olha com um olhar mortal. - Melhor eu fazer isso. - Parme vai até o carro de notícias. - Me desculpe. - Fala Parme dando um soco no vidro quebrando fazendo, Mulhouse frear olhando para ele furiosamente
  -Ficou louco? Tire essa fantasia ridícula para termos uma conversinha, ande, ande. - Fala Mulhouse o empurrando com a porta do carro e sai para fora
  -Recebo ordens, não tenho culpa. - Explica Parme
  -Também não tenho culpa se sua marca é ruim, acha que vestido de besouro irá produzir seu próprio refrigerante? Ouh, garoto. - Fala Mulhouse
  -Am... o dono está bem ali. - Fala Parme e Mulhouse avista, Icarus o encarando ao lado de Camellia
  -Irei te processar, cretino. Me-aguarde. - Fala Mulhouse entrando no carro indo embora mas, Icarus apenas estava com o olhar leve quando um caminhão de Suco de Besouro para em frente a lanchonete do Zapoteca até que, DeWolf entra pela porta junto com Donuts que corre para a cozinha onde, Zapoteca estava na grelha
  -Veja se não é o meu cachorro especial. - Donuts late. - Tome aqui, mas não coma muito, é gorduroso. - Fala Zapoteca o dando um pedaço de bacon mas vai para o balcão avistando, DeWolf ao lado de Lays
  -Quem estão aqui? Meus clientes preferidos. - Fala Zapoteca sorrindo
  -E mais Suco de Besouro. - Fala DeWolf se referindo a carga que chegou na lanchonete
  -E mais suco de besouro. - Fala Lays rindo igualmente 
  -DeWolf, foi você que pediu para o Mulhouse noticiar que o Suco de Besouro é tóxico? - DeWolf fica sem reação não respondendo. - Oh, Deus, DeWolf. Pare, você está chegando no senso ridículo da situação. Por Cristo. - Fala Zapoteca
  -Posso fazer nada se digo a verdade, desconfio e exponho para ver do que o autor é capaz. - Fala DeWolf
  -Não entendo. Mulhouse teve o vidro do carro quebrado por sua culpa. - Fala Zapoteca
  -Garotos, hey. Não irão brigar comigo aqui, ninguém tem culpa de nada. - Fala Lays
  -Há! - Fala DeWolf
  -Tirando a parte em que, DeWolf agiu errado. - Zapoteca dá um "-Há!". - E, Zapoteca o acusando e por favor, sem mais "Há". - Fala Lays
  -Apenas tento entender como uma pessoa corrupta consegue ser tão bem associada e não deixar evidências, só queria entender. - Fala DeWolf
  -Uou, bom. Não digo muito isso, mas a noite acontecem coisas estranhas. - Fala Lays os deixando curiosos
  -Como assim? - Pergunta Zapoteca confuso
  -Noite passada eu estava varrendo a rua que é de frente para a empresa quando um caminhão bem grande. - Lays conta se lembrando em um flashback. - Algo coberto atrás pontudo chegou e eu me escondi, foi onde vi o Icarus Quercy. - Conta Lays
  -Intrigante mas nenhuma acusação, pode-ser muito bem a nova logo da empresa. - Fala Zapoteca
  -Sério, Zapoteca? A nova logo ia ser um verme no lugar do besouro, grr. - Reclama DeWolf
  -Me desculpem, mas sou totalmente cético as coisas que não me convém. - Fala Zapoteca
  -Lays, quero mais pistas quando achar. - Fala DeWolf se levantando do banco
  -Pode deixar comigo. Mas onde vai? - Pergunta Lays confusa
  -Ir pra casa. - DeWolf entra no seu carro saindo pela cidade com Donuts falando sobre os fatos. - Uma coisa pontuda entra na empresa a noite, oque será que tem de errado nisto? - DeWolf freia seu carro frente a sua casa vendo, Mallow dar tchau a seu avô que ia embora no ônibus de viagem e DeWolf se aproxima quando ela vem conversar com ele
  -DeWolf, e, aí? Conseguiu mais pistas? - Pergunta Mallow
  -Sim, mas irei chegar lá detendo esses malefícios. - Responde DeWolf
  -Quanta certeza, adoro isso. Esta manhã a Lottie foi até minha casa contar sobre sua ereção, é verdade? - Pergunta Mallow
  -Vamos deixar isso baixo. - Responde DeWolf rindo
  -Por que ela mente muitíssimo, devo tomar cuidado? - Pergunta Mallow
  -Fique tranquila. Lottie é extrovertida mas as vezes fala verdade. - Responde DeWolf
  -Então é verdade, sabia. - Fala Mallow
  -As vezes. - Fala DeWolf olhando para ela que olha para ele ficando um clima de amor e Donuts olhando tudo aquilo até que late o despertando daquele transe apaixonante 
  -Tenho que fazer o jantar. - Fala Mallow
  -Verdade, eu também tenho. Bye, Mallow! - Fala DeWolf seguindo até a porta da sua casa
  -Okay, okay. Até amanhã! - Fala Mallow o dando tchau e ele entra fechando a porta.
0h:00
  A porta da casa de DeWolf se abre deixando sair ele e Donuts que seguem até seu Porsche vendo, Lays varrer a rua mas ele pisca os faróis do carro chamando sua atenção que para de varrer colocando a vassoura em um canto indo até eles que andam pela cidade escura a noite seguindo para a empresa do Suco de Besouro onde estavam em frente a porta de entrada vendo nada e conseguem arrombar indo entrando vendo um elevador entrando escrito: "Terra" e apertam o botão descendo vendo somente parede de terra, estavam indo para o subterrâneo se assustando
  -Será que essa coisa nos levará ao ponto do crime? - Pergunta DeWolf
  -Não sei, estou muito nervosa mentalmente para pensar. - Responde Lays
  -Expresse seu nervosismo. - Fala DeWolf confuso com aquilo
  -Infelizmente não gostaria de ver, sinto vontade de pular e atacar pessoas, é estranho, eu sei, mas... - Fala Lays até que o elevador para abrindo a porta saindo onde veem todo o plano de Icarus
  -Oh-meu-Deus. - Fala DeWolf completamente assustado quando ouvem passos vindo do fundo
  -Tem pessoas aqui em baixo, vamos voltar. - Fala Lays
  -Lays, descobrimos oque o cretino do Quercy planeja, temos que deter agora. - Fala DeWolf com ela o puxando
  -Mas isso não será hoje, vem. - Fala Lays o puxando entrando no elevador subindo
  -Vamos sair correndo, arrombamos a porta principal, somos muito idiotas. - Fala Lays
  -Pare de me apavorar. - Fala DeWolf e a porta se abre deixando-os sair, mas ao chegarem lá fora o elevador apta pois novas pessoas subiram e DeWolf se esconde fazendo um gesto com a cabeça para, Lays que confirma, ao aqueles homens estranhos chegarem na porta principal, Lays se joga em cima do Porsche disparando o alarme atraindo a atenção para ela deixando, DeWolf fugir
  -Está bem? - Pergunta um dos homens
  -Sim, sim. Acho que foi o bandido que arrombou a porta que me empurrou. - Responde Lays até que a lua some e o sol aparece sendo um novo dia enquanto vários caminhões estampados com a marca Suco de Besouro chegam em Bargain e DeWolf em pé na sala da sua casa com a televisão ligada passando, "Eu a Patroa & As Crianças" ele tenta resolver o caso de Icarus
  -Aquilo visto foi inconsequente, uma pessoa tem de ser um pouco louca mas ao mesmo tempo maníaca. A questão daquela gigante máquina pontuda também é outro item a se encaixar. Suco de Besouro, subterrâneo, dutos, disfarce... - Ele ouve um barulho na porta indo ver abrindo vendo um jornal pegando e entrando. - Quem lê jornal em pleno século... - Ela abre vendo a notícia: "Como 1949 imaginava os anos 80". - Oh, meu Deus. - DeWolf sai de carro rapidamente até a empresa mas vê, Nate trabalhando e freia. - Nate, entra no carro. - Fala DeWolf
  -O quê? Estou trabalhando, não posso... - Fala Nate mas, DeWolf o interrompe
  -ENTRA! - Fala DeWolf estressando fazendo-o entrar
  -Tudo bem, mas tem como me explicar? - Pergunta Nate com DeWolf dirigindo 
  -Descobri o plano de Icarus, estava na frente do meu rosto esse tempo todo. Filho da mãe. - Responde DeWolf 
  -Mas oque, é? - Pergunta Nate curioso e DeWolf para o carro em frente a empresa
  -Parme não está trabalhando, oque está, está acontecendo? - Ele entra avistando uma nova funcionária. - Hey, você. Onde está, Icarus Quercy? - Pergunta DeWolf
  -Sou a nova secretária, começo hoje, me desculpe. - Responde ela saindo de perto
  -Jesus! - Fala DeWolf correndo até o elevador com Nate atrás
  -DeWolf, acalme-se. - Fala Nate e a porta do elevador entra deixando-os entrar
  -Nate, eu descubro o plano de um maníaco retardo e você quer que eu espere? - A porta do elevador se fecha. - Quero descer até lá embaixo e mostrar o poder da justiça. - DeWolf tenta aperta o botão terra mas havia sumido. - Onde está a droga do botão? - Se pergunta DeWolf confuso e as luzes do elevador se apagam apavorando-os e Donuts se recua para trás de DeWolf
  -Ótimo, se eu for morrer quero dizer isto. O erro desta situação foi você ficar apressado, cara, pare. Tudo feito correndo dá um problema, como isso agora. - Fala Nate entediando-o
  -Já acabou? - Pergunta DeWolf
  -Talvez, mas tenho coisas a declarar sobre ontem. - Responde Nate
  -Nate, se não dermos um jeito iremos morrer sufocados aqui dentro. - Fala DeWolf amedrontando-o
  -Sufocados? - Pergunta Nate com os olhos arregalados e DeWolf olhando para o teto do elevador avista uma coisa
  -Isso. Me levanta. - Fala DeWolf deixando-o confuso
  -Levantar você? Como? - Pergunta Nate e DeWolf coloca suas mãos em sua cintura e o levanta
  -Vou tentar quebrar esse teto, é de emergência. - Fala DeWolf batendo com a mão
  -Cuidado, não quero que abra isso e os cabos se soltem. - Fala Nate
  -Pobre, Nate, não iremos cair. - DeWolf ri abrindo o teto. - Consegui. - O elevador faz um barulho estranho. - Droga. - Fala DeWolf
  -DeWolf, DeWolf, DeWolf.... - Fala Nate mas o elevador cai até chegar no subterrâneo em cima das caixas de dinamite causando a maior fumaça mas ficam ilesos
  -Uma viagem desagradável. - Reclama DeWolf
  -Nós caímos por causa de você, DeWolf, nós. - Fala Nate saindo do meio dos escombros juntamente a ele e Donuts até que avistam, Icarus de óculos escuros ao lado de Camellia e todos da empresa os olhando
  -Uau, uau, uau. Nossos convidados especiais e esperados chegaram! - Fala Icarus rindo
  -Em nome da lei quero que pare com esse projeto agora ou terei de resolver isso. - Fala DeWolf
  -Mas não vai mesmo. - Ele estala os dedos. - Guardas. - Os guardas de Icarus prendem, DeWolf, Nate segurando-os e Donuts. - Meu mais novo projeto iremos testar nosso querido, Parme na minha máquina criogênica estando completamente abaixo de zero e intacto para quando eu lançar a superfície meu projeto mirabolante. - Fala Icarus e todos veem, Parme preso dentro da máquina de criogênio 
  -Louco, quem faz um plano desses? - Se pergunta Nate
  -Eu, óbvio. Ativem a máquina. - Ordena Icarus vendo dois de seus funcionários indo até, Parme mas, DeWolf olha para a arma na cintura do guarda ao lado assim dá uma cabeça acertando o de trás que o segurava soltando-o e pega a arma atirando no outro, dá um golpe na garganta do que segurava, Nate morrendo asfixiado e um tiro na cabeça do que segurava, Donuts
  -Icarus, faça alguma coisa. - Fala Camellia desesperada
  -Parem-o agora! - Fala Icarus e todos os funcionários vão para cima de DeWolf que atira no peito de um, na testa do outro, um deles pega-o por trás mas dá um chute no da frente passando por cima do de trás dando-o um tiro e a bala acaba
  -DeWolf! - Fala Nate chamando sua atenção dando-o uma metralhadora que a pega atirando em todos sobrando nenhum em pé
  -Bom, eu avisei. - Fala DeWolf olhando para, Icarus e Camellia em pé quando, Icarus tira uma arma de trás das costas dando tiro na luz
  -Acenda a bomba. - Fala Icarus com Camellia que vai e ele vai para o elevador de emergência fugindo
  -Nate, o Parme! - Fala DeWolf
  -Tudo bem. - Fala Nate indo salvar, Parme abrindo a tampa da máquina de criogênio
  -Muito obrigado. - Agradece Parme sendo retirado de lá
  -Parme, nos diga por onde fugir daqui debaixo. - Fala Nate indo até, DeWolf
  -Ali tem um elevador de emergência. - Fala Parme levando-os até lá enquanto, Camellia tenta acender a bomba não conseguindo e ouve a porta do elevador abrindo
  -Não! - A bomba acende começando a contagem. - Droga. - Fala Camellia correndo para o elevador vendo-os lá dentro e a porta se fechando
  -Camellia? Camellia! Corre! - Fala DeWolf tentando segurar a porta mas ela não para
  -Gente, garotos, não me deixem! Não! - Fala Camellia e a porta se fecha com ela batendo
  -Esse elevador, as portas foram feitas para não serem reabertas após apertar o botã... - Fala Parme e chegam em cima da empresa
  -CORRAM! - Grita DeWolf saindo correndo e a bomba apta explodindo toda a empresa jogando-os para fora quando veem, Icarus lamentando
  -Ouh, Camellia, não merecia morrer assim. - Lamenta Icarus mas, Nate o pega colocando suas mãos para trás
  -Icarus Quercy, irá ser preso por uma policia pelo seu crime devastador contra a cidade de Bargain. - Fala Nate enquanto, DeWolf olha para ele sendo socorrido pelos bombeiros dando um sorriso até que no outro dia, DeWolf acorda vestindo sua roupa abrindo a porta saindo cumprimentando, Mallow e entra no seu carro com Donuts saindo narrando na sua mente pela cidade sobre, Icarus:
  -Icarus foi preso e detido pelo seu plano surreal, pretendia explodir toda a Bargain e congelar as pessoas para imergir uma cidade futurística, um plano cem por cento fora do normal. Agora o "Sr. Quercy" está preso perpetuamente no Gelksonian. - Icarus é colocado dentro da cela e o guarda fecha a porta de grades. - Um lugar para pessoas criminosas tendo retardo mental inconsequente em certos crimes que cometem, como esse de Icarus dentre outros mais que virão. - Ele para o carro entrando na lanchonete do Zapoteca conversando acariciando, Donuts enquanto a máquina do refrigerante Suco de Besouro era retirada. - Suco de Besouro foi sim declarado como tóxico, várias pessoas de Bargain que tomaram em excesso estão um pouco doente, mas declararam que os efeitos duram vinte e quatro horas e passam incluindo o banimento do refrigerante em todo o mundo, agora é só esperar que o próximo venha. - Narra DeWolf tomando café rindo enquanto, Laszlo o olhava do lado de fora da lanchonete segurando seu caderno de autógrafo e a caneta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2017 | Design e Código: Sanyt Design Versão por: Luiza Oliveira | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo